Tinha uma moto no meio do caminho

No início da semana fui surpreendida por uma moto. Não lembro como aconteceu, só sei que fui atropelada, e abri os olhos com a cara no asfalto. Por fora marcas relativamente pequenas, mas não imaginava o quanto nosso corpo é frágil e que músculos machucados doem tanto quanto ossos fraturados.

É realmente uma pena que as pessoas não tenham noção que o amanhã não existe. Foi rápido. Não lembro qual foi meu último pensamento antes do acidente. Não sei quais foram minhas últimas palavras.  Comprei roupas semana passada…quem iria usar? Eu tinha falado tudo que era preciso para todo mundo? Seria assim? Não chegar em casa?

Não entrei em crise. Não fiquei desesperada para falar com todas pessoas que conheço, nem falar para tudo que acharia necessário. Ainda tá tudo guardado. Também não tenho vivido como se não houvesse amanhã… A diferença é que a gente passa a ver as coisas diferentes. Tanta coisa pequenininha. Sabe quando a gente vai arrumar o armário e acha chaves velhas, moedas antigas, um pé de meia guardada há anos sem o par… Sabe?

A propósito, o sinal abriu enquanto eu estava no meio da rua. Eu estava de fone…provavelmente não ouvi a moto. Há tempos minha mãe diz pra eu não andar de fone, porque tira os reflexos…mas sempre fui tão cuidadosa! E como assim o sujeito não é cuidadoso com sinal em ponto de ônibus? Como assim tem uma pessoa no meio da faixa e é atropelada em 1 segundo que o sinal abriu? Bem… agora não importa. O importante é que estamos bem. Acidentes são assim, e por isso se chamam acidentes. A gente pode até tentar se previnir, mas evitar, só Deus mesmo.

Isso que dá não ouvir a mãe. Ouviu Marininha?

Beijo em todos.

Boa semana, e menos moto no meio do caminho. Ou pelo menos, menos fones.

Anything else

Hoje eu estava assistindo um filme do Woody Allen, e apesar de estar achando completamente boring (talvez porque enquanto assistia, tinha que ficar catando brinquedos pela casa), uma cena me chamou atenção: Woody esperava calmamente por uma vaga no estacionamento, e quando finalmente conseguiu, enquanto fazia a manobra, outro carro rapidamente pegou a vaga. Ele, franzino, saiu do carro reclamando da falta de educação, que estava esperando blá-blá-blá. Do carro abusado saíram dois homens enormes, que o intimidaram, claro. Muito puto, Woody foi embora… Porém, deu a volta no quarteirão, voltou ao estacionamento e quebrou o carro todo com um macaco (tô falando da ferramenta, hein, gente).

Achei fantástico.

Ele poderia voltar pra casa, choramingar que é franzino e nunca poderia enfrentá-los. Ele poderia voltar pra casa, choramingar e dizer que aqueles caras deveriam ter consciência do que fosse educação ou pelo menos sensibilidade quanto a sua posição. Ele poderia voltar para casa e se sentir um merda. Ele poderia voltar para casa e simplesmente não se importar. A vida é mais que uma vaga de estacionamento, né verdade?

A cena dele todo desajeitado quebrando os vidros foi ótima.

Sabe, concordo que o mundo dá voltas. Concordo que a vida é injusta e que não devemos colaborar com esse ciclo vicioso. A vida é curta e deve ser (por favor!!) mais que isso… Mas ninguém está com a bunda exposta na janela para passar a mão nela.

Ele não pagou olho por olho. Ele não quis fazer justiça com as próprias mãos. Ele não quis dar lição de moral. Ele só quis dizer uma coisa, do jeito que conseguiriam entender: vão se fuder, seus filhos da puta.

A gente cresce e aprende direitinho tudo que mamãe ensinou, porém, por mais nobre que sejamos, tem hora que a gente precisa tirar o salto e lavar a alma.

E quem irá dizer que não existe razão?

É AQUI MERMO!!!!

Vocês NÃO entraram no blog errado!

Tudo diferente, né? Mas eu tô aqui! É que estamos mudando algumas coisinhas e o template acaba entrando no pacote. Enquanto meu templatista preferido não vem, vou me virando por aqui!!!

Espero que gostem do resultado… ME DEU TRABALHO!!!!

E a propósito…SEJAM BEM-VINDOS! (de novo!)

(ahhh, ficou bonitinho, vá?)

Certezas incertas Meu amor, preciso te escrever u…

Certezas incertas

Meu amor, preciso te escrever uma carta de amor, e te fazer entender a amplitude do meu coração. Preciso que você entenda o meu sorriso sincero quando ouço sua voz, ou que apenas ouça meu coração batendo devagar quando a saudade aperta.
Me ame. Sim, me ame, e por que não? Ame o que tenho de bom, e o que tenho de ruim deixa para amanhã ou a gente joga debaixo da cama e procura depois. Me deseje no volume máximo. Não preciso, e nem quero, todo seu pensamento…Use sempre para o que for necessário. Divida-o com o seu coração, porque todo seu desejo já me basta.
Não me importo quem você seja, o que você veste, aonde você vai, quais são seus sonhos, mas me leve aonde você for. Depois a gente volta para casa. Não case comigo. Deixa eu ser eu-sem-você, e te amar de todas as formas. As sinceras e incorretas.
Meu mundo é pequeno e simples. Sejamos fáceis. Sejamos livres, porque é isso que nos traz de volta para nós. Quero suas mãos dentro do meu vestido, a voz no ouvido, coração vivo, beijo no pescoço, e aquela mentirinha que não faz mal a ninguém.
Nos prometemos que tudo seria sempre fácil, mas somos reféns de nossas próprias palavras e desejos secretos. Não sei onde meu amor começa, mas termina no dia que você quiser que ele não exista. Não é um amor injusto. É um amor sem promessas de novela. Talvez tudo isso acabe, e talvez eu chore um pouco sozinha, mas amanhã será sempre um novo dia, e a gente sempre dá um jeito de se querer de novo.
Hoje nos basta. Somos como bêbados que juram saber a hora de parar. Será que sabemos?
A única certeza que temos é que somos incertos. Hoje seremos felizes para sempre. Mas só hoje. Amanhã? Será que a previsão do tempo nos dá alguma reposta?

Kiss.mp3

Eu quero meu crachá Engarrafamento. Ponte. Prai…

Eu quero meu crachá

Engarrafamento.

Ponte.

Praia lotada.

Caos.

Calor.

Cristo.

Jardim Botânico.

PAN.

MAC.

MAM.

ABL.

MNBA.

Biblioteca Nacional.

Uerj.

Brizolão.

Violência.

Favela.

Copacabana Palace.

Lagoa.

Bangu.

Maracanã.

Flamengo.

Samba.

Rock in Rio.

Machado de Assis.

Chico Buarque.

Cazuza.

Fernanda Montenegro.

Pitanguy.

Tati Quebra-barraco.

Romário.

Havaianas.

Loira de farmácia.

Kátia Flávia.

Get out.

Sou carioca.

Polícia, pode vir.

DROPS Cara, eu tô com um mau humor que eu não tô …

DROPS

Cara, eu tô com um mau humor que eu não tô entendendo.
Tsc. Preciso de uma Coca.
(ou algo que rime com Coca)

Sobre o PAN.
Tipo assim, legal.

Tava falando com o pai da minha filha ontem…
Aliás, eu NUNCA falei dele aqui. Esses textos psicóticos-depressivos-existencialistas-mal-amados não têm nada a ver com sua pessoa.
Uma pena que eu não seja apaixonada por ele. E vice-versa.
Mas até que às vezes ele é apaixonante.
Às vezes.

Esta semana fui levar Marina para vacinar. Ela está pesando 7 kg. Fui de ônibus. Sozinha. Com medo de chover, porque o tempo estava horrível. O posto de saúde fecha às 16:00, e cheguei lá às 15:30. A enfermeira já tinha ido embora e não tinha mais ninguém para aplicar a vacina.
Eu só não quebrei tudo, porque nem tinha nada para quebrar. Mas só o ódio que eu fiquei deve ter no mínimo dado uma úlcera na atendente, que ainda falou comigo como se a errada fosse eu. Só faltou ela me chamar de “nem”.

Um dia conto para vocês a realidade de quem depende da saúde pública.

Aí neguim vai ao Maracanã vaiar o presidente, e mostrar para o mundo que não somos bobos, sabemos protestar e mostrar nossa insatisfação.
Tá bom. Vai vaiar o Bush no Mc Donalds e tomando Coca-cola.

E nem tentem discutir política comigo, porque não sei falar de política. Sei falar da minha realidade.

E hoje é sexta-feira! Uhuuuu!
Hoje é dia do pijama amarelo!!!!!

Beijo procês.

Leribinha Ontem aqui em casa foi dia de comemoraç…

Leribinha

Ontem aqui em casa foi dia de comemoração. Aliás, todo dia 14 tem festinha. Aproveito a ocasião para reunir algumas amigas, botar o papo em dia e exercitar a minha mais nova habilidade, que é de ser anfitriã. Logo eu, a mais preguiçosa recebedora de pessoas ever. Porém, o mais interessante é que eu tenho achado tudo lindo.

Marina fez quatro meses.
Eu sempre penso em mil coisas para fazer, tanto de comida quanto de decoração, mas quando menos percebo já chegou de novo dia 14 e nem deu tempo de fazer nada…e lá vai eu para cozinha (sim, eu vou!!!) fazer o bolo de chocolate de sempre, encomendar uns salgadinhos em cima da hora e enfeitar a mesa com sobras de aniversários passados. Tem de tudo: pratinho rosa, guardanapo quadriculado, copos de “Procurando Nemo” e até uma velinha do Ronald Mc Donalds. Ainda bem que tenho sobrinha, né? Mas, sabe que fica tudo fofo???!!!! (aaaummmm)

Vieram umas amigas que eu já não via há alguns meses, e juntos com a minha família relembramos do início da minha gravidez no estilo o-que-eu-esteva-fazendo-quando-soube-da-notícia, porque foi um choque para todo mundo. Não por moralismo, mas sim porque ninguém imaginava que um dia eu seria mãe. Muito menos eu. Se elas ficaram assustadas, imaginem eu! Né possível que isso esteja acontecendo comigo. Vou acordar, contar para todo mundo o sonho que tive, e depois vão rir da minha cara. Engraçadão, né? Nada. O exame de farmácia deu positivo. O de sangue deu positivo. E na ultra tava ela lá…com menos de 1 cm, mas com o coração já vivo, batendo para mim. A médica disse “parabéns!”…mas eu não sabia se chorava emocionada por ouvir pela primeira vez o coração da minha filha ou pela pergunta que não saía da minha cabeça: “o que vai ser da minha vida agora?!”.

Bom, mas disso já ta todo mundo careca de saber. Se eu não tivesse com tanto sono e com tanta preguiça, contaria mais detalhes. O caso é que apesar de todas surpresas, sou uma ótima mãe, obrigada.

Claro que tenho muito que aprender, ainda sou sem jeito com muitas coisas… Mas lembro o primeiro mês, e como que tudo era difícil. Tive crises de choro achando que não sabia cuidar dela, e eu ficava tão cansada, mas tãããão cansada que achava que eu nunca mais na vida voltaria a ter uma aparência saudável. Eu tinha muitas dores nas costas, nos braços, e amamentar completava o pacote.

Hoje ainda fico um caco no final do dia. Às 10 da noite já estou no automático…mas ela já está cheirosinha dormindo. Mamar só amanhã de manhã. Já aprendi que se às 5:00 eu a levar para minha cama, ela ainda dorme até às 8:00…e lá vamos nós começar o nosso dia. Também já estou por dentro dos remédios, o que serve para quê. As fraldas que prestam, as que vazam, as que deixam assada, as mais caras, as que são ótimas, as que são melhores para noite. Já entendo o cartão de vacinação. Já dou banho nela. Já sei cuidar dela sozinha, o que não quer dizer que não precise de ajuda…aliás, é fundamental.

Bem, a semana está aí começando.
Mas deixem eu ir lá, porque também aprendi que se eu quiser descansar tenho que ter os mesmos horários que ela…e a sinhá já está dormindo faz tempo!
Boa semana e um beijo bem grande para todo mundo.

(tô aqui pensando…acho que vou fazer festa caipira… cocada, pé-de-moleque…hã? bom, se não der tempo, a gente coloca um chapéu de palha no Ronald Mc Donalds…hein?)

Acredito que as pessoas passam a vida inteira insa…

Acredito que as pessoas passam a vida inteira insatisfeitas com o que têm. Dificilmente alguém consegue ser feliz por completo ou dar valor aos pequenos momentos da vida, até porque as pessoas estão sempre desejando algo maior que elas.

Todos buscam a felicidade. Uns querem a qualquer preço, mesmo que isso signifique a infelicidade de alguém. Outros prefeririam não machucar ninguém, mas num mundo tão diferente do outro não se pode ser feliz o tempo todo.

Infelizmente você vai sempre ter algo que alguém quer muito, mesmo que você pense que não é nada ou ninguém, mesmo que você se contente com o que tem, mesmo que nada te incomode. Mesmo que você ache não tem nada para oferecer.
As pessoas também querem sua paz de espírito.

Poema Tempos de lembrar de Cazuza… Pensei na…

Poema

Tempos de lembrar de Cazuza…

Pensei nas milhares de músicas dele para postar…das milhares que inspiram, mas precisava escolher apenas uma. Escolhi esta.
Apesar de já ter postado antes, e apesar de não ter sido gravada pelo próprio Cazuza, é uma das que mais me sensibilizam.

Ney Matogrosso – P…

Beijos,
saudades sempre.